3 de dezembro, 2021

Ganhador do IV Concurso de Acessibilidade Audiovisual do MERCOSUL

Nesta quinta-feira (02), foi realizada reunião com a equipe da plataforma Ping Play, selecionada pela RECAM como vencedora do IV Concurso de Boas Práticas da Sociedade Civil do MERCOSUL em Acessibilidade Audiovisual.

A Ping Play é uma plataforma brasileira de streaming que aluga filmes acessíveis, onde todos os conteúdos têm audiodescrição, legendas descritivas e tradução em LIBRAS (Língua Brasileira de Sinais), que podem ser ativadas individualmente de acordo com as preferências dousuário.

A Coordenadora-Geral de Inovação e Infraestrutura Audiovisual da Secretaria Nacional do Audiovisual do Brasil, Teresa Cristina Oliveira, destacou que "o prêmio está alinhado às prioridades que o Brasil propôs à RECAM, que visa identificar, divulgar e valorizar as iniciativas que podem ser exemplo para outras experiências no Brasil e na região".

A Coordenadora de Marketing da plataforma,Magdalena Martins, destacou que o prêmio é de grande relevância na atual fase do projeto, o primeiro ano da plataforma. Segundo Magdalena, a iniciativa surgiu a partir do trabalho realizado pela ETC Filmes, que se especializou em produzir recursos de acessibilidade audiovisual. Diante da constatação de que os filmes acessíveis deveriam ter mais janelas de exibição, em especial durante a pandemia, a ETC Filmes decidiu criar a Ping Play. "É importante dar às pessoas a possibilidade de acessar os filmes de forma autônoma. Alcançar o público é nosso foco principal", enfatizou Martins.

As representantes da Ping Play compartilharam suas experiências em relação à validação contínua dos recursos da plataforma, por meio de testes e de divulgação junto a influencers cegos e surdos. Também abordaram a relação com os distribuidores e o desafio de garantir a sustentabilidade do empreendimento nos próximos anos.

As representantes da SNAV parabenizaram o trabalho da Ping Play e enfatizaram que esse encontro fortalece a colaboração e aprendizagem mutua entre o poder público e a sociedade civil, necessárias à promoção da acessibidade audiovisual na região.

Compartir en Facebook